InfoPortugal, a Mapear o Futuro há 20 anos

Olá, o meu nome é Paulo Cabanejo e sou atualmente o Diretor Comercial da InfoPortugal. Ingressei na empresa em 2002 e estava longe de imaginar o meu percurso na empresa, quando tive a minha entrevista de emprego numa mesa em frente ao piano do Atrium Saldanha, em Lisboa. Presenciei a evolução da empresa ao longo destes anos e desempenhei diferentes funções. Era ainda muito jovem e agarrei o desafio sem saber muito bem o que ia encontrar, tendo começado como técnico de recolha de campo, a georreferenciar os Pontos de Interesse de Portugal. Informação essa que seria posteriormente disponibilizada num dos primeiros mapas interativos do país e indo de encontro ao objetivo da empresa quando foi criada em 23 de agosto de 2001, que era mapear Portugal e disponibilizar toda essa informação através de PDA e posteriormente de telemóvel.

City Help foi a primeira marca criada para a primeira aplicação de navegação e orientação em cidades com conteúdos turísticos georreferenciados em Portugal, numa primeira fase apenas as cidades Lisboa e Porto e posteriormente na Grande Lisboa e Grande Porto.

Mais tarde foi lançado o Programa Operacional “Sociedade do Conhecimento” (POSC) e o aparecimento das primeiras regiões digitais. Este Programa tinha vários eixos, entre esses existia um chamado Portugal Digital, no qual algumas regiões aproveitaram estes apoios para disponibilizar as primeiras informações georreferenciadas dos seus territórios.

Em 2005, surgiu uma nova marca da InfoPortugalNDRIVE,  um software navegação GPS com os mapas mais completos de Portugal e Espanha. O ponto alto do NDRIVE ocorreu nos finais de 2006, quando o Presidente da República ofereceu ao Rei de Espanha um GPS NDRIVE. Foi também em 2006 que houve a primeira aproximação ao Grupo Impresa, com a inclusão de todos os conteúdos do guia Boa Cama Boa Mesa 2006 disponíveis no navegador GPS NDRIVE. Desta forma, a InfoPortugal conseguiu ter a maior base de dados de informação turística de Portugal.

Paralelamente, a InfoPortugal começou a aproveitar os mesmos conteúdos para a produção de materiais turísticos em papel, tais como roteiros turísticos e gastronómicos, em inúmeros projetos, tendo alargado a sua oferta de serviços.

Depois de vários anos em trabalho de campo, em que até aprendi que todos os buracos de estrada têm uma designação oficial, tive em outubro de 2007 o convite para integrar a área comercial da empresa, com a posição de gestor de conta. Recordo-me com orgulho do maior concurso que a InfoPortugal ganhou, com a diferença de apenas um cêntimo. Quem está a desempenhar cargos em áreas comerciais, sabe o quão marcantes são estes concursos decididos por detalhes.

Em 2007, o Grupo Impresa adquiriu 51% da InfoPortugal e os restantes 49% seriam adquiridos nos 3 anos seguintes, originando assim uma spin-off entre a InfoPortugal e a NDRIVE. Este facto, obrigou a InfoPortugal a reinventar-se e a procurar novos negócios, mas sempre com o seu ADN inovador.

Muitos projetos desde então foram desenvolvidos, desde websites e aplicações mobile para Turismo, modelos 3D de Municípios, mapas em papel, elaboração de cartografia e ortofotomapas, EPG (Electronic Program Guide), entre muitos outros, dos quais destaco alguns marcantes.

Decorria ainda o ano de 2007, quando a InfoPortugal iniciou a sua operação de fotografia aérea digital, tornando-se na primeira empresa portuguesa a adquirir uma máquina fotográfica aérea digital, vindo a revolucionar o mercado da fotografia aérea, ortofotomapas e respetiva Cartografia. Acabando por adquirir um avião em 2008, ficando com autonomia para a execução destes projetos.

O ano de 2009 foi marcado pelo fim da recolha integral do território português com eixos de via navegáveis. Este facto permitiu que a InfoPortugal se tornasse num dos players a fornecer informação georreferenciada para diferentes plataformas.

Foi em 2010 que a InfoPortugal teve o maior projeto de fotografia aérea, elaboração de ortofotomapas e cartografia e toda a linha de costa para a DGT. Face aos meios que a InfoPortugal dispunha na época, podemos dizer que foi um projeto ambicioso.

Outra data marcante para a InfoPortugal foi em 2011, quando fizemos o nosso primeiro projeto videográfico, e neste caso para o Município de Lisboa. Neste projeto conseguimos juntar a recolha aérea com a recolha videográfica terrestre e identificar todos os pormenores rodoviários da cidade de Lisboa.

Penso que o sucesso da InfoPortugal passa pelos seus colaboradores, pois permitiram construir a empresa que hoje conhecemos e nos orgulhámos.

Conforme puderam perceber ao longo deste artigo, o claim da InfoPortugal não aparece por acaso, pois a InfoPortugal andou sempre a mapear Portugal de uma forma inovadora e na vanguarda da tecnologia, ou seja, INFOPORTUGAL – Mapping the Future.

Por tudo isto, parabéns à InfoPortugal pelos seus 20 anos.

Paulo Cabanejo,
Diretor Comercial

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *