Ortofotomapas 3D

Os ortofotomapas são soluções cartográficas largamente utilizadas por serem do ponto de vista económico e de tempo de execução muito vantajosas e de utilização simples e expedita em qualquer software CAD ou SIG. Contudo, a sua grande limitação é o facto de reportarem apenas informação 2D, não permitindo ter informação sobre declives, altura dos edifícios ou cota do terreno.

Mapas digitais de suscetibilidade a inundações

As inundações são desastres naturais muito frequentes e que causam danos económicos, sociais e ambientais em todo o mundo. Durante muitos anos, o estudo e a gestão de planícies susceptíveis a inundações tornavam-se muito dispendiosos e de difícil obtenção, uma vez que grande parte destas análises eram realizadas manualmente com recurso a mapas de papel.

Hoje em dia, as tecnologias dos Sistemas de Informação Geográfica estão a contribuir para a criação de mapas digitais de suscetibilidade a inundações precisos, atualizados de uma forma mais rápida e com menor custo.

O potencial dos SIG no Projeto AURORAL

De uma forma ou de outra, todas as áreas de intervenção do AURORAL terão de integrar SIG. Por exemplo, o planeamento de transportes inteligentes necessita webmapping, de sistemas de tracking e até mesmo de uma base de dados de cadastro predial. A estruturação  de um sistema energético necessita de cartografia  para poder selecionar as melhores localizações das suas infraestruturas. E até mesmo na área da saúde, que atualmente implementa informação geoespacial para a gestão de grandes quantidades de informação.

Análise de informação tridimensional

O crescimento da importância deste tipo de informação dentro da área dos SIG deve-se bastante ao aparecimento muito significativo de inúmeras formas de criar, mapear e medir informação tridimensionalmente. Modelos digitais de terreno e de superfície, nuvens de pontos, modelos 3D e realidade aumentada são exemplos de formatos que geram dados 3D.

Cidades circulares

O conceito de cidades circulares (CC) é uma nova forma de pensar e construir as cidades. Esta ideia parte do princípio de que as grandes zonas urbanas atualmente são pouco eficientes relativamente aos recursos que usam e insustentáveis a longo prazo. Uma cidade circular pretende essencialmente gerir os os seus recursos de uma forma eficiente.

5 Aplicações de Realidade Aumentada nos SIG

Ao contrário da realidade virtual, que cria na totalidade um mundo artificial à nossa frente, a Realidade Aumentada (RA) permite a percepção do mundo real mas com a adição digital de recursos extra.
Inicialmente esta tecnologia era apenas visível através dos ecrãs dos nossos telefones. Estes, por meio da câmara, registavam imagens às quais eram adicionados os elementos tridimensionais complementares. Atualmente a realidade aumentada já evoluiu para além disso. Em vez de termos de desviar o olhar para um ecrã já podemos utilizar os primeiros dispositivos que podem ser usados tais como simples óculos. Estes dispositivos tendem a ser cada vez mais pequenos, servindo apenas de periférico para os smartphones que fazem o todo o processamento da informação.

5 benefícios dos Drones na área dos SIG

Do turismo à construção, o levantamento topográfico é essencial. No entanto, o crescimento da tecnologia dos drones está a mudar a forma como os levantamentos são feitos, tornando-os acessíveis a um grande leque de industrias. Os drones oferecem enormes oportunidades para os profissionais dos Sistemas de Informação Geográfica, conseguindo também complementar o trabalho de fotografia aérea. Com a ajuda dos drones é possível fazer levantamentos, processamento e entrega da informação de uma forma rápida, precisa e segura.

Posicionamento Cinemático em Tempo-Real: novo serviço já está disponível em Portugal para correção de sinal de GPS

Real Time Kinematic (RTK) ou Posicionamento Cinemático em Tempo-Real trata-se de uma técnica de melhoramento da precisão do sinal de um receptor  GNSS. Os receptores tradicionais GPS, tais como os de um smartphone, apenas conseguem determinar um posicionamento com uma precisão de 2 a 4 metros. Mas os receptores GNSS RTK fornecem correções ao nível do centímetro para uma grande variedade de aplicações e receptores.

3 razões pelas quais o planeamento urbano precisa de tecnologias SIG

As comunidades urbanas estão em constante mudança e a forma como interagimos com as cidades está a alterar-se. A implementação de métodos e ferramentas dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG), pode otimizar esta mudança e revelar perspectivas valiosas sobre os novos desafios da atualidade. A tecnologia atual permite recolher vastas quantidades de informação geoespacial que, por sua vez, possibilitam a análise muito completa das necessidades e limitações de uma cidade. Existem inúmeras aplicações dos SIG no planeamento urbano com potencial para causar um impacto significativo no crescimento das comunidades e na vida dos moradores.

A aplicação dos SIG no sector da Energia

Os SIG (Sistemas de Informação Geográfica) assumem uma enorme importância na atualidade. Estes sistemas auxiliam-nos em tarefas de comparação e análise de tipos diferentes de informação. Informação sobre pessoas, como distribuição da população e nível de educação; Informações territoriais, como localização de rios, terrenos agrícolas, diferentes tipos de vegetação e solo; Ou mesmo informações de infraestruturas como a posição de fábricas, escolas, saneamento, estradas e linhas de energia elétrica.

É através dos Sistemas de Informação Geográfica que é possível proceder à gestão dos dados de uma empresa ou instituição. Estes dados, mesmo sendo provenientes de múltiplas e distintas áreas, irão suprir a entidade de informações de forma coerente, centralizada e acessível a todos os seus elementos.